Sinopse

Na pequena comuna de Saint-Tropez, a sedutora órfã Juliette é o objeto de desejo de todos os homens. Ela provoca o milionário Eric e se sente atraída por Antoine. Para fugir do orfanato, ela aceita se casar com Michel, o irmão mais jovem de Antoine.

“Em “E Deus… criou a mulher”, Brigitte vira Bardot “ – Le Monde

“ A intérprete de E Deus Criou a Mulher quebrou, através do seu mito provocativo, as barreiras que impediam a sexualidade feminina. “ – Le Monde

Direção de Roger Vadim
E Deus Criou a Mulher é a estreia do diretor Roger Vadim, na época casado com a estrela do filme, Brigitte Bardot, que iniciava então sua carreira emblemática. O longa tem esse nome apropriado pois leva o público a testemunhar o nascimento de uma mulher empoderada, que exala sensualidade e, embora os homens daquela época achassem difícil de entender, as mulheres dos anos 50 cobiçavam tal independência e liberdade. A famosa cena pouco antes do início dos créditos, em que Brigitte dança em cima da mesa usando seu corpo para conquistar e afirmar sua liberdade, é a grande síntese desse movimento comportamental que daria início à Nouvelle Vague.

Brigitte Bardot torna-se, com este filme, ao mesmo tempo um mito e um símbolo sexual global da década de 1960; uma estrela mediática, um emblema da emancipação das mulheres. Uma jovem que é ao mesmo tempo modelo e demônio, uma ingênua livre e provocadora, um símbolo de feminilidade e da liberdade sexual.

Quando o filme foi realizado, na metade dos anos 1950, começava a crescer a onda de rebeldia juvenil na França e em outros países. O cinema procurava fugir do padrão clássico, esquecer o cinema para “copiar a vida”, a verdadeira intimidade dos personagens. Se o filme foi bem recebido pelos jovens realizadores da Nouvelle Vague – Claude Chabrol, François Truffaut, Jean-Luc Godard – foi rejeitado pelo público durante o seu primeiro lançamento no canal de televisão France 3. Os novos diretores consideravam Bardot em E Deus Criou a Mulher um importante sinal de renovação, indicando um novo caminho a seguir: filmar os jovens como eles são, sem maquiagem ou amarras de roteiro. Porém, a atriz é violentamente criticada pela imprensa em nome de uma moralidade que ela põe em perigo.

Sucesso de público, o filme foi essencial no nascimento da nova onda, uma nova consciência no cinema francês, e ainda garantiu o estrelato de seu elenco principal.

EXIBIÇÃO

Selecione a Sala

  • Sala 2

COMPRAR INGRESSO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7  +  2  =