Estreia de Lázaro Ramos como diretor, numa trama contundente e belamente dirigida, sofre com as limitações de orçamento, mas brilha pelo talento artístico de toda a equipe envolvida e referências históricas trazidas à trama.

Fonte: Vinícius Volcof – Cinema com Rapadura

“Medida Provisória” marca a estreia do ator Lázaro Ramos na direção, assim como recentemente havia feito seu amigo e conterrâneo Wagner Moura com “Marighella”. Seus filmes já chamavam atenção por indicarem um passo além nas carreiras dos dois atores baianos que já estão marcados na história do cinema nacional por suas atuações memoráveis, mas ganharam ainda mais atenção por conta dos embates tidos com a Agência Nacional de Cinema e com o atual governo federal até seu lançamento. Ambos se arriscaram pegando projetos com alto teor político em um contexto de alta intolerância e polarização, por isso sofreram e sofrem retaliações e perseguições. Mesmo assim, hoje ambos os filmes estão disponíveis ao escrutínio do público e ao julgamento da história e, pelo que podemos testemunhar, têm gerando muita discussão e atraindo bastante público aos cinemas. Porém, se essa fosse uma disputa entre os dois amigos, é plausível afirmar que Lázaro se saiu melhor.

Na história, estamos alguns anos adiante e o governo brasileiro emite uma Medida Provisória que impõe aos descendentes de escravizados que retornem ao país de sua ancestralidade. O que começa como uma proposta para voluntários se torna uma verdadeira perseguição racial. Nesse contexto está o casal Antônio (Alfred Enoch) e Capitu (Taís Araújo), que têm de lutar para se reencontrarem em meio ao caos social gerado pela medida. André (Seu Jorge), um jornalista de internet (blogueiro, como ele diz) completa a trama, que tem a funcionária do governo Isabel (Adriana Esteves) e a vizinha Dona Izildinha (Renata Sorrah) como vilãs diretas da história.

A história foi adaptada por Lázaro junto ao experiente Lusa Silvestri (de “Estômago” e “O Roubo da Taça“) a partir da peça “Namíbia, não!“, de Aldri Anunciação, dirigida por Lázaro em 2011. A similaridade com o texto não o fizera à princípio querer dirigir a adaptação para o cinema, muito embora ele pudesse inclusive tê-la protagonizado. O roteiro alterna constantes momentos de tensão e cômicos, e depois de tantos projetos pesados, é maravilhoso ver Seu Jorge nessa energia. Além disso, o fato de as vilãs serem personificadas por duas das maiores vilãs da telenovela brasileira parece uma espécie de escolha afetiva do realizador muito bem pensada para reverberar diretamente com o público. A Isabel de Adriana Esteves ainda carrega o simbólico nome da princesa portuguesa tida pela história oficial como libertadora dos negros brasileiros, ao assinar a Lei Áurea em 1888. Na história, ela é a assecla governamental responsável por implementar a medida.

Lázaro e Wagner, como irmãos que o audiovisual uniu, compartilham em seus filmes até mesmo a presença de Seu Jorge e Adriana Esteves em seus elencos. Aqui, porém, ainda que a história seja igualmente visceral, eles não carregam o peso das figuras reais de Marighella e de sua companheira Clara, e atuam à vontade para somarem suas personas marcantes aos personagens ficcionais dessa trama.

O filme avança rapidamente para um ponto de não retorno, onde os negros começam a ser capturados em nome da pátria e da lei por uma polícia mascarada, mas não avança nas mais ousadas possibilidades que a história inicialmente sugere. Podendo até mesmo render uma série, o filme limita-se a ser um recorte contido de um universo imenso, restringindo (certamente por conta do orçamento) sua premissa espetacular. Por exemplo, quando Capitu é resgatada por um quilombo moderno, mesmo que alguns acontecimentos ali destaquem as discussões centrais da história, fica-se com a impressão de termos visto pouco de um contexto tão apavorante de se imaginar.

Embora o apêndice final do filme seja uma colagem geral e quase genérica da luta do movimento negro brasileiro, ao som de Elza Soares, valorizando a história e resistência negras, é mais bonito notar as referências menos diretas a grandes figuras negras brasileiras, como Machado de Assis e o Doutor Luis Gama, que aparecem aqui e ali nas cenas e até nos nomes das personagens. Há também alguns participações especiais que surgem como presentes ao espectador.

Somando uma história contundente e bem adaptada a uma boa fotografia, que soube usar as áreas mais insólitas do Centro novo do Rio de Janeiro para construir a vibe de ficção distópica que a trama pedia, a enquadramentos ágeis e poucos óbvios, cortes dinâmicos, cheios de movimento e de soluções criativas para a clara limitação orçamentária do projeto, pode-se dizer que a estreia de Ramos é um filmaço. Não deve nada às melhores distopias norte-americanas, embora a novidade dos rostos, das vozes, das palhetas e locações de uma distopia protagonizadas por negros e negras latino-americanos não surpreenderá se causar choque em audiências daqui e dali.

Pouco podemos criticar de negativo o projeto, a principal seria por não terem dado mais orçamento para que Lázaro dimensionasse numa escala mais adequada o impacto dessa medida provisória. São poucos os momentos que vemos para além dos protagonistas, a cidade e os impactos sociais de toda a trama. Vez ou outra, enfoca-se personagens secundários memoráveis, porém, fora isso, resta o desejo de querer acompanhar mais desse universo aterrorizante.

No contexto brasileiro atual, o filme é como um expurgo de um demiurgo que insiste em nos possuir: o racismo. É também um grito de afronta, de recusa à opressão histórica e persistente. Não é um ataque político a esse ou aquele governo, mas uma discussão de nossos erros enquanto nação, desde a formação do país. Uma ousadia gostosa de ver em um primeiro filme, surpreendentemente engraçada, cheia de ironias e piadinhas, mas verdadeiramente assustadora. Talvez Lázaro notara que a falta de orçamento para mostrar o contexto geral de sua história não iria fazer tanta diferença, uma vez que às vezes nos sentimos a um passo de nos tornar a sociedade que ele retrata. Colocar isso em tela é um ato de coragem. Da forma exuberante e talentosa que ele executa, um ato de coragem da mais alta qualidade artística.

Publicações recentes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  +  52  =  53