Uma família tipicamente norte-americana encara os conflitos da vida enquanto se depara com questões e dúvidas existenciais de natureza universal. É possível encontrar a felicidade num mundo repleto de incertezas?

Fonte: Marcelo Muller – Papo de Cinema

O cineasta David Cronenberg lançou em 2012 a adaptação cinematográfica do livro Cosmópolis, publicado originalmente em 2003 pelo escritor Don DeLillo. E ele escalou o ator Robert Pattinson para viver a testemunha alienada de um mundo em colapso, o milionário mimado que transita por Nova Iorque em sua limusine blindada. O saldo foi uma metáfora apocalítica sobre o lugar do capitalismo, sistema indiferente às privações impostas à maioria como um protocolo de vida. Cronenberg sabe trabalhar bem elementos como hipocrisia e obscenidade, sobretudo a fim de confrontar criticamente essa parcela da população crente de que a abundância de dinheiro lhe concede direito à frivolidade e ao exercício da onipotência/impunidade. Ruído Branco, versão cinematográfica de outro livro famoso do mesmo autor, não é dirigido por David Cronenberg, mas pelo norte-americano Noah Baumbach, realizador reconhecido pelos retratos agridoces de famílias com graus de disfuncionalidade. Portanto, não é de se estranhar a atenção dessa nova produção com selo Netflix às fraquezas humanas, aos vínculos remexidos por eventos distintos, a uma dura sina existencial. Mas, sem a acidez e a mordacidade que poderíamos esperar, por exemplo, de um trabalho assinado por Cronenberg. Há temas interessantes, simbologias e entrelinhas instigantes, atuações ótimas do elenco, mas falta incisão à condução de Baumbach.

O protagonista é Jack (Adam Driver), professor especializado na figura de Adolf Hitler, casado com Babette (Greta Gerwig), provedor de um lar que conta com quatro filhos. Enquanto constrói uma realidade quase caricatural pela quantidade de absurdos normalizados, o cineasta prefere não transformar essas tantas situações bizarras em emissárias de algo sinistro. Noah Baumbach não enfatiza a imundice, a violência, tampouco cria uma experiência desagradável ou ao menos inquietante. Ele parece mais preocupado com as peculiaridades dos personagens do que com os efeitos sintomáticos de suas existências e atitudes. Diferentemente da pegada de David Cronenberg em Cosmópolis, por meio na qual o protagonista era observado como subproduto da sociedade com valores distorcidos, a abordagem de Baumbach é mais propensa ao pitoresco. E isso acaba encobrindo a sordidez. Na primeira parte da trama, ele situa Jack como um patriarca meio abestalhado, cultuado no meio acadêmico por seu conhecimento vasto sobre Adolf Hitler. A cena dele performando diante de alunos e colegas cada vez mais enfeitiçados pela teatralidade exagerada da sua apresentação é um indício de que o foco está na fragilidade da condição humana. O cineasta emprega as tintas habituais do seu cinema para mostrar personagens trocando pés pelas mãos, impotentes diante de problemas, mas que existem para ser amados. Os eventos acontecem, têm certo impacto, mas não são bem costurados para criar um painel.

Noah Baumbach cozinha a história sobre um mundo propenso a cultuar celebridades (sejam elas um astro do rock ou um líder genocida), coloca no molho a paranoia da ameaça nuclear (alô, alô, Guerra Fria), insere pitadas de crítica à sociedade do consumo e ainda prescreve certo cuidado com a epidemia de dependência farmacológica. Tudo isso numa trama que começa com uma família aparentemente perfeita, descamba ao desespero próprio dos filmes-catástrofe (por conta do acidente de natureza química), e termina discutindo formas sintéticas de aliviar o medo da morte enquanto negociamos com as pressões cotidianas. No entanto, falta cinismo no paralelo entre Hitler e Elvis, pois o foco permanece nos estudiosos pedantes; o medo diante de um evento que pode envenenar a cidade é utilizado como motivo para tentarmos mergulhar na singular dinâmica familiar – com direito à sequência que parece ter saído de Férias Frustradas (1983); a crítica à sociedade de consumo é uma nota de rodapé, surgindo apenas na recorrência do supermercado como cenário e, mais diretamente, na ótima encenação que serve de pano de fundo para os créditos finais; e a dependência de remédios que aliviam a pressão é apontada como manifestação da sociedade em constante estado de angústia, mas nunca tem relevância para diagnosticar o âmbito geral. Noah Baumbach quer é saber dos personagens vulneráveis.

Nas mãos de David Cronenberg (a julgar por Cosmópolis), Ruído Branco provavelmente seria sobre o painel coletivo de doenças e os sintomas de um estado das coisas. Ao querer fazer somente outro filme sobre família disfuncional (o que é seu direito, claro), Noah Baumbach atinge resultados moderados, pois a potência da história está na moldura, no mundo em decomposição à beira do colapso. Até o medo da morte é diluído pelo acúmulo de comportamentos característicos e circunstâncias curiosas (tolas?). A progressão é pálida. O cineasta poderia encarar Jack, a sua prole e a esposa que não lhe conta tudo como indícios óbvios da coletividade guiada pelo discurso capitalista. Este que preenche o horário nobre da televisão, cria paranoias abrangentes para sobreviver (utilizando o medo) e distorce percepções sobre essencial e supérfluo. No entanto, mesmo sem dar tanta importância aos filhos do casal protagonista, o cineasta prefere ainda assim entender tudo como uma boa oportunidade para falar de familiares desajeitados que pecam pelo desespero. Adam Driver está ótimo (como sempre) na pele desse homem cheio de si pelo destaque acadêmico. No pouco tempo que tem de tela, Greta Gerwig também se sai muito bem como a mulher em estado de letargia. É tudo pitoresco, calculadamente estranho, mas falta a sujeira ganhando o seu lugar de direito à mesa.

Publicações recentes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  +  28  =  31